26.03.2008

Binhos lanša linha de sacolas ecologicamente corretas

Com a conscientização ambiental cada vez mais difundida, em pouco tempo as embalagens de compras deixarão de ser uma despesa na sua empresa e passarão a ser uma nova fonte de receita, além disto, o nome da sua empresa estará associado a causas ambientais.

Segundo a FUNVERDE (www.funverde.org.br), cada sacola reutilizável pode tirar de circulação 500 sacolas descartáveis por ano, baseado nesta informação, podemos dizer até que as sacolas reutilizáveis são mais baratas que as sacolas convencionais.

Visando a diminuição do impacto ambiental causado pelos plásticos, que demoram até 500 anos anos para se decompor, A BINHOS – iniciou o projeto sacolas ecológicas em 2007 e tem como principal objetivo a mudança do uso das sacolas plásticas convencionais, distribuídas principalmente por supermercados e lojas, por sacolas oxi-biodegradáveis e sacolas retornáveis.
A Sacola ecológica serve para compras, é feita de algodão e projetada para substituir as poluentes bolsas de plástico e de papel.
Sua utilização permite:

Decréscimo da utilização de madeira na fabricação do papel;
Redução da produção de lixo e da poluição acarretada pelo descarte de sacos plásticos jogados nas ruas e nas águas ou então presos em árvores, fiação elétrica e drenagens;
Diminuição do aquecimento global;
Incentivo da cultura da reutilização.


Tecnologia – Para o meio ambiente, a diferença entre as sacolas de plástico convencional e as feitas com o material oxi-biodegradável é o tempo de degradação. Enquanto a tradicional sacola plástica demora séculos (estimam-se 400 anos), a sacolas ecológicas se decompõem em aproximadamente 18 meses O processo de decomposição se inicia com uma combinação de luz e calor, que agem como catalisadores e afetam a velocidade na qual a degradação progride. Uma vez que o processo é iniciado, tem continuidade no aterro sanitário ou em qualquer outro lugar – como rios, galhos de árvores e outros locais onde constantemente são encontradas sacolas plásticas.

A tecnologia empregada no processo de produção da sacola utiliza um aditivo químico que agiliza o processo de degradação, desmontando as ligações de carbono no plástico.